terça-feira, 1 de dezembro de 2009

A influência do computador na escola


Muito se tem escrito sobre a informática na escola, mas há pouco consenso entre os diversos educadores sobre o valor do uso dessa tecnologia em relação aos ganhos que ele pode trazer aos nossos alunos. Acredita-se que a computação irá criar uma revolução na educação, o que aos poucos vem ganhando espaço nas escolas. O que está em foco, e precisa ser entendido é a utilização que vai ser dada à máquina. Em um bom número de escolas o aprendizado de português, matemática, ou de qualquer outro componente curricular, que é seu objetivo primordial, fica quase que esquecido pelo uso de programas, que por serem divertidos, entusiasmam os alunos, enquanto na realidade, estão apenas aprendendo a manipular o computador. A informática quanto adotada nas escolas deve se integrar ao currículo, não como uma disciplina, mas como uma ferramenta, inclusive, multidisciplinar, constituindo-se em alguma coisa a mais que o professor pode contar para bem realizar o seu trabalho; desenvolvendo atividades que levem a uma reflexão sobre qual a melhor forma de empregar seus recursos, analisando as características de cada disciplina; realizando a imprescindível interação entre as diversas disciplinas e os recursos da informática. Quando utilizada desta maneira na escola, ou seja, a informática a serviço de um projeto educacional, propicia condições aos alunos de trabalharem a partir de temas, projetos ou atividades, surgidos no contexto da sala de aula. Em decorrência dessas situações os alunos podem contar com a interatividade.
Assim sendo, nossa preocupação fundamental é a com o desenvolvimento de valores, com a concepção que temos das finalidades da educação e da convicção de que necessitamos formar um indivíduo com a inteligência desenvolvida, com cultura, flexível, crítico e criativo. A informática pode fazer parte desse universo, mas não pode ser encarada como um objetivo por si própria. O computador, como o livro ou qualquer outro material didático que usamos, é apenas e tão somente: um meio.
Entendemos que qualquer instrumento de ensino, desde o mais simples até o mais altamente elaborado, depende de quem o usa e de como isso é feito. Cabe ao professor a responsabilidade de diversificar a abordagem de seu componente curricular.
Boa reflexão!!
Abraços carinhosos
Lívia e Thuanne!!!

Um comentário:

Cezar Augusto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.